Bem Vindo/Welkome

Esta página pretende-se interactiva,deixe imagems,informações,dicas do mês.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Portal das Empresas do Governo de Angola - Guiché Único constitui empresas em 24 horas

Portal das Empresas do Governo de Angola - Guiché Único constitui empresas em 24 horas

Angola

Portal do Cidadão Detalhes do Serviço ao Cidadão

Angola / Registos

terça-feira, 1 de julho de 2008

Segurança, Passwords e Vírus Informáticos - Novo Liberis - Novo Liberis

Segurança, Passwords e Vírus Informáticos - Novo Liberis - Novo Liberis

Ruslana Korshunova,Luisa Castel-Branco.

A modelo Ruslana Korshunova, que faria 21 anos no proximo dia 2, morreu no último sábado depois de cair do 9.º andar do edifício Walter Street, em Manhattan.
Luis Miguel Mota Destak
Zach Eichman, porta voz da agência para a qual Korshunova trabalhava, a IMG. A IMG também representa, entre outras, as modelos Heidi Klum e Kate Moss.
A jovem modelo que trabalhou para grandes figuras da moda como Marc Jacobs, Nina Ricci e DKNY foi descrita, em 2005, como um «rosto entusiasmante» pela revista Vogue.
Poemas e Amor
Segundo o jornal Daily News, Korshunova deixou poemas num site da internet que falam principalmente de amor.
«A vida é curta/Quebra as regras/Perdoa rápido/Beija lentamente/Ama de verdade/Ri descontroladamente/E nunca lamentes nada que te tenha feito sorrir", dizia um dos textos da modelo.
«Não confundas amor e desejo», diz um poema em russo, postado a 30 de Maio. «O amor é o sol; o desejo, apenas carne. O desejo ofusca e o sol dá vida».
Em Janeiro escreveu: «Dói, como se alguém pegasse numa parte de mim, a arrancasse e pisasse sem misericórdia e a deitasse fora».

Momentos
Ouvi o som do carro dele e fico especada, presa no sofá.Reconhecia aquele som onde quer que estivesse, era estúpido, mas verdadeiro.
No meio de tantos barulhos que subiam da rua, estreita e repleta de carros em cima do passeio, ela sempre soubera quando ele chegava a casa, muito antes de entrar no prédio.
Felizmente que os miúdos já estavam a dormir. Era mais fácil assim.
Tanta coisa que ela tinha para lhe dizer! Esperara por aquele momento, em que ele caísse em si, em que percebesse que era ali, no seu lar que devia estar, e não fora de casa como uma galdéria, esperara e desesperara ao longo de mais de seis meses sem conseguir dormir uma noite seguida, sem conseguir passar um dia sem chorar.
Ao princípio odiara-o, mas depois percebera que o amor que lhe tinha era maior do que a raiva. E decidira há muito tempo aceitá-lo de braços abertos, porque, afinal, os homens são todos iguais.
Continuava sentada no sofá, a luz desligada, a televisão apagada, a suster a respiração enquanto aguardava pela chave na porta, o som dos passos dele.
Não saberia dizer quanto tempo ali esteve, até que sentiu a dormência dos braços e das pernas. O tempo passara e nada, nem o elevador a subir, nem a chaves na porta, nem a voz dele: "Ó Manuela".
Foi então que se levantou, abriu a janela e olhou a rua.E depois de olhar para cada carro, um a um, porque não queria chegar ao fim, não queria saber o que já sabia, não viu o automóvel dele.
Afinal, era apenas mais uma noite de expectativa, mais uma noite em que ia fingir para si mesma que um dia o som seria verdadeiro.
Luisa Castel-Branco Destak